domingo, 15 de maio de 2022

Alguns minutos de fama *

* Manoel Lourenço / Emater/RN

Eu conheci Cortez Pereira na década de 1970, quando ele, como Governador do Rio Grande do Norte, foi a Jucurutu/RN, inaugurar o Sistema de Abastecimento de Água, naquela cidade.

Eu era adolescente e gostava de frequentar o rio piranhas para tomar banho e jogar bola com os amigos.

Foi num desses dias que eu estava no rio, com outros amigos, que a gente se espantou com um helicóptero sobrevoando a cidade.

Na verdade a gente teve até medo daquele monstrengo que nunca tínhamos visto por lá.

Lembro que quando aquele "avião", aquilo pra gente, era um avião, deu sinais que ia baixar em frente à praça, nós todos corremos para lá e conseguimos chegar primeiro do que o helicóptero.

Eu nunca tinha visto aquilo, por conseguinte não sabia que era preciso afastar-se para não levar, na cara, aquela poeira insuportável, gerada pela força das hélices.

Quando ele baixou, já tinha por perto alguns policiais que acompanharam o governador até o carro, que levou a comitiva à prefeitura e de lá, horas depois, até o local da inauguração.

Tudo aquilo aumentava ainda mais a minha curiosidade, me fazendo cada vez mais entender a importância de uma autoridade daquela envergadura.

Quis o destino que, na década de 1980, eu fosse trabalhar no então projeto de Colonização de Serra do Mel, um dos grandes projetos do governo de Cortez Pereira.

Na quarta eleição para prefeito do município, Cortez concorreu, foi eleito e me fez o convite para que eu fosse seu Secretário Municipal de Agricultura.

Há época eu havia fundado o PSB - Partido da então governadora do RN - Vilma de Faria, hoje saudosa.

Foi um momento atípico em minha vida, porque eu nunca tive aptidão para política, mas obedeci a alguns conselhos de um amigo que achava que eu poderia contribuir com a população local, mas sem me estender nesse assunto, hoje eu, sequer voto em Serra do Mel, apenas guardo com um orgulho gigante, ter construído grandes amizades com o seu povo.

Eleito, Cortez Pereira, que acumulava ali, como prefeito, mais um posto importante, depois de ser Diretor do Banco do Nordeste, Professor Universitário, Deputado Estadual, Senador da República e Governador do Rio Grande do Norte.

Fiquei como titular da pasta de Agricultura, de 01/01/2001 a 21/02/2004, quando ele, infelizmente, aos 79 anos, partiu para o andar de cima.

Uma de nossas primeiras atividades, foi reabrir a fábrica de polpa de caju, que rendeu muita notícia na região e no estado, em função dos empregos e renda que iria gerar para a população daquela cidade.

Eu estava em Mossoró, quando recebi uma ligação da TV Cabugi, afiliada da Globo aqui no RN.

Eles queriam agendar uma reportagem comigo, sobre a reabertura e inclusive já haviam falado com o prefeito.

Dia seguinte, fizemos a reportagem e no mesmo dia, à noite, a Cabugi a pôs no ar.

No outro dia, ainda muito cedo, eu recebi uma ligação no meu telefone fixo e ao atender, ouvi:

- Bom dia!, eu falo com o Sr. Lourenço, Secretário de Agricultura da cidade de Serra do Mel, no RN?

- Bom dia, isso mesmo, amigo, quem fala, por favor?

- Aqui é da TV Globo do Rio de Janeiro.

Ali, eu comecei a me perguntar o que mesmo fez a Globo/RJ, ligar pra mim, e ainda mais àquela hora, mas...

- Nós assistimos uma entrevista que o senhor concedeu à nossa afiliada aí no RN e ficamos impressionados com sua postura.

Sem nada entender, eu fiz uma pausa e perguntei, novamente, quem estava falando, afinal aquilo era esquisito.

- Olha, nós resolvemos lhe fazer uma proposta de trabalho: diante da sua postura frente às câmeras, seu bom português e de seu domínio absoluto do assunto, nós queríamos contratar o senhor para trabalhar como consultor de nossa programação voltada para o agronegócio na Globo Nacional.

Para não ser infiel aos meus princípios, confesso que, apesar de tudo muito esquisito, por alguns segundos me senti global.

Já meio que gaguejando, eu adiantei que não tinha conhecimento nessa área, e já imaginando que loucura era aquela, quando, de repente ouvi uma risada estridente.

- É Cortez Pereira, Lourenço!...e, para minha surpresa, ainda acrescentou: finalmente, você aceita ou não, a proposta?

Manoel Lourenço
Emater/RN


Parceiro anunciante



2 comentários:

  1. João Paulo15/05/2022 09:36

    kkkkkkkkkkkk o extensionista quase q se tornou consultor global!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Excelente matéria. A vida QUANDO nos Proporciona Surpresas acontece dessa Forma. Ou SEJA é melhor nos Surpreender do que nos Decepcionar.

    ResponderExcluir

Os comentários postados representam a opinião do leitor e não necessariamente do RSJ. Toda responsabilidade do comentário é do autor do mesmo. Sugerimos colocar nome no comentário para que o mesmo seja liberado. Ofensas não serão permitidas.