quarta-feira, 6 de julho de 2022

Operação Scammers prende homem suspeito de aplicar golpes por aplicativos de mensagens

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) deflagrou nesta quarta-feira, 6, a operação Scammers. O objetivo foi cumprir dois mandados de prisão, além de busca e apreensão, expedidos pela justiça potiguar, na cidade de São Paulo.

O alvo das diligências é um homem suspeito de aplicar golpes através de aplicativos de mensagens. Outro alvo não foi localizado, estando atualmente foragido. Um dos investigados foi preso no município de São Paulo, onde reside.

O MPRN teve o apoio do Ministério Público de São Paulo e da Polícia Civil paulista e contou com a presença de uma das promotoras de justiça que atua no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPRN, acompanhada por uma servidora da instituição.

O nome da operação é a tradução livre para a palavra golpistas, em inglês, e é atribuído a quem aplica crimes virtuais.

No crime ocorrido no Rio Grande do Norte, a vítima foi enganada pelo emprego do golpe do falso boleto, ocasião em que o estelionatário passou, em detalhes, informações do financiamento de seu veículo, dificultando a identificação da fraude.

A vítima iniciou as tratativas junto ao banco credor para pagamento das parcelas, sendo informada no processo que a dívida estava com um representante terceirizado, um escritório responsável pelas cobranças da instituição financeira. A vítima passou a receber inúmeras ligações de terminais telefônicos distintos para regularização do débito.

Em um dos contatos mantidos via telefone, a denunciante foi informada que o valor total da despesa seria no montante de R$11.947,07 e que a fatura chegaria por e-mail. No dia seguinte a esta ligação, no entanto, o boleto para quitação foi enviado pelo whatsapp. A destinatária o considerou como válido, pois o documento continha as mesmas especificações que o escritório havia repassado, e a quantia indicada também era equivalente às duas parcelas em aberto do contrato de financiamento.

Três dias após realizar a transação financeira de pagamento, o legítimo escritório voltou a entrar em contato, cobrando a dívida. No momento, a vítima enviou o comprovante de pagamento, sendo informada de que o comprovante remetido não correspondia ao código de barras lançado no boleto oficial encaminhado para ela.

Na residência do suspeito foram apreendidos aparelhos de telefone celular, computadores e outras mídias. O material será encaminhado ao Núcleo de Evidências Forenses (Nucef) do Gaeco do estado de São Paulo, para extração forense das mídias e envio das evidências ao laboratório forense do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRN, local no qual a respectiva análise será realizada.

O MPRN também apura a participação do preso no cometimento de outros crimes e ainda o envolvimento de outras pessoas nos golpes. Ele ficará custodiado em uma unidade carcerária paulista à disposição da justiça.


Parceiro anunciante



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários postados representam a opinião do leitor e não necessariamente do RSJ. Toda responsabilidade do comentário é do autor do mesmo. Sugerimos colocar nome no comentário para que o mesmo seja liberado. Ofensas não serão permitidas.