sábado, 9 de outubro de 2021

Deputada Natália Bonavides denuncia ministro Rogério Marinho à PGR para investigar sua relação com escândalo do tratoraço

A deputada federal Natália Bonavides (PT/RN) solicitou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que investigue envolvimento do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, na compra de máquinas e equipamentos superfaturados pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), estatal ligada ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

A partir das notícias divulgadas na imprensa e de informações apuradas pelo Tribunal de Contas da União e pela Controladoria-Geral da União, o mandato da deputada identificou que há indícios que ligam o ministro Rogério Marinho ao escândalo do tratoraço.

O MDR, além de estar ligado à estatal investigada, foi responsável por elaborar a planilha com os preços acima do mercado, fazendo, inclusive, uma campanha ostensiva para que parlamentares indicassem emendas para essa pasta. Soma-se ainda o fato do próprio Rogério Marinho ter indicado recursos do orçamento secreto para a compra de 90 tratores, 9 motoniveladoras e 12 pás carregadeiras, todos superfaturados.

Natália Bonavides afirmou que:

“A relação do ministro com o escândalo do tratoraço precisa ser apurada de forma urgente. O orçamento secreto já é um absurdo, e estamos diante de elementos que indicam não só o uso de recursos públicos para o velho ‘toma lá, dá cá’, mas também para enriquecimento indevido de apoiadores de Bolsonaro, às custas do sofrimento da população”.

O Ministério do Desenvolvimento Regional empenhou R$ 3,3 bilhões pelo orçamento secreto, sendo que R$ 130 milhões foram indicados diretamente por Rogério Marinho. De acordo com o TCU, os preços dos equipamentos chegam a ser 63% acima da média, implicando em prejuízos aos cofres públicos.

Com informações da assessoria da deputada Natália Bonavides


Parceiro anunciante


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários postados representam a opinião do leitor e não necessariamente do RSJ. Toda responsabilidade do comentário é do autor do mesmo. Colocar nome no comentário para que o mesmo seja liberado. Ofensas não serão permitidas.