domingo, 3 de outubro de 2021

Polícia Federal rebate matéria da Folha de S. Paulo

Em nota divulgada nesse sábado, 2, a Polícia Federal afirma que não "defende" que "a Abin assuma a segurança de votos extraídos das urnas eletrônicas como diz, de forma maliciosa, matéria da Folha de S. Paulo deste sábado".

A nota ressalta que “o jornal diz, em tom de escândalo, que o diretor-geral da PF enviou ao TSE, no mês passado, documento com a indicação de que a Abin deveria assumir a segurança pela transmissão dos resultados extraídos da urna”.

Em outro trecho da nota tem que “trata-se de uma meia verdade que, fora de contexto, converte-se numa mentira, desinforma os leitores e transmite a falsa impressão de que a Polícia Federal abriu mão de uma atribuição própria para atender a interesses escusos”.

Na sequência, a nota diz que “é preciso ficar claro que o documento mencionado pelo jornal foi produzido em 2018, a pedido do TSE e, deste então, estava arquivado. No documento, peritos da PF sugeriram que a segurança sobre transmissão de dados, que estava a cargo de uma empresa privada, fosse transferida a Abin”.

Diz ainda o documento que “a Abin já participa do sistema de segurança das eleições brasileiras há muitos anos e, portanto, não há nenhuma novidade aí".

"O diretor-geral enviou ao Senado o documento com a recomendação dos peritos a pedido de um senador. É bom lembrar que o documento é parte do arquivo. Não há aí, nenhuma nova ação da PF como o jornal induz o leitor a acreditar”.

Ao finalizar a nota a PF afirma: “Em resumo, a mistura de dados, datas e finalidade do documento desinforma e alimenta desnecessariamente teses conspiratórias e tolas sobre emprego indevido de uma instituição como a Polícia Federal”.


Parceiro anunciante


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários postados representam a opinião do leitor e não necessariamente do RSJ. Toda responsabilidade do comentário é do autor do mesmo. Colocar nome no comentário para que o mesmo seja liberado. Ofensas não serão permitidas.